ALGUÉM ME EXPLICA O QUE SE ESTÁ A PASSAR???

12 06 2008

Eu também gosto de futebol!

Eu também vibrei com os golos do Deco, do Ronaldo e do Quaresma!

Eu também acho que a Selecção Nacional está a ter um óptimo desempenho no Euro2008!

Agora expliquem-me o seguinte:

Então eu vejo um país inteiro a babar-se de orgulho futebolístico, milhares de bandeiras nas janelas e varandas (muito menos que há dois anos, se calhar pela mesma razão que não coloquei a minha) um rejúbilo patriótico como se da maior nação do mundo se tratasse, gente aos magotes em desvario completo a gritar o nome de Portugal como se dele se orgulhasse, gente a limpar lágrimas de contentamento com a bandeira nacional e…

…e hoje mesmo no final do jogo fui a um hipermercado e…

…e pela primeira vez em 38 anos de vida, são-me vedados bens de primeira necessidade, fruta e legumes frescos, prateleiras vazias, qual país do corno de África, e dizem-me que ainda será pior daqui a uns dias, para me ir preparando para o racionamento geral!!!

O país está literalmente parado, não há combustíveis, os euros fogem-nos das mãos que nem enguias…

…e vejo milhares de pessoas a abanarem o maior símbolo da nação tuga a fervilhar de emoção e alegria de tão nobre sangue lusitano possuírem nas veias???

De duas, uma:

Ou este fenómeno do futebol ultrapassa tudo o que, de limite, uma mente sã e ajuizada pode imaginar, ou eu estou, de facto, a ficar louco!

Acho mesmo que é a 2ª hipótese mas eu também acho que a Selecção Nacional está a ter um óptimo desempenho no Euro2008!

Paulo Carvalho

Anúncios

Acções

Information

40 responses

12 06 2008
sara rosa

Paulo nós as pessoas decentes realmente é que estamos a ficar loucos ,nunca na minha vida de 70 anos ,pensei em assistir a uma derrocada total dum país,que muitos diziam que (antigamente) nos tinham colocado na cauda da europa,sou muito antiga,já vivi muito e já passei por muita coisa,mas como agora nunca o meu cerebro ainda bastante lucido,esperava ver tamanho descalabro,não admito a ninguém que me venha falar do passado,o meu passado,onde se podia fazer contas certas à vida,sabiamos que tinhamos empregos certos,organizavamos os nossos casamentos com bases sólidas,não em lodo como agora os jovens,e só pensavamos na melhor maneira de constituir familia,pobres jovens de agora,que nem sabem se amanhã teem emprego.

12 06 2008
Nuno Machado

Concordo plenamente Paulo. É realmente triste ver um país que tem um governo que lixa os mais fracos e tem medo dos fortes. O governo vai ceder mas ficará refém para sempre ( e os próximos governos também) de uma cambada de arruaceiros que para valerem os seus direitos agridem quem não está com eles e usa também o seu direito a não fazer greve. Isto não é democracia e eu que sempre fui contra o uso da força contra este tipo de coisas acho que estes animais mereciam levar umas bastonadas para serem postos na ordem.
Porra, estou a ser reacionário não estou??? Onde eu cheguei!!! Se calhar a culpa é do Cavaco e do seu discurso do dia da raça, perdão de portugal de Camões e das comunidades. (portugal está em letra pequena de propósito).
Ah e estes senhores camionistas que não pensem que são os únicos que trabalham e que dependem e sofrem com os aumentos dos preços dos combustiveis. Muitos professores têm que atravessar o país para darem aulas.
Ah, estes são uma cambada de comunistas. Malandros, que tratam mal as criançinhas e as deformam e formam futuros camionistas.

12 06 2008
pjrcarvalho70

Caríssima Sara Rosa:
são mesmo 70 anos de lucidez pura!

Muito obrigado

12 06 2008
Helena Bernardo

Já hoje me interroguei várias vezes sobre esse assunto, e se estou acordada a esta hora é porque qualquer coisa me está a tirar o sono: um telefonema tardio de uma amiga, informando-me que já não há ovos, nem leite nas prateleiras dos supermecados aqui da terra.
Mas o que anda este povo a pensar? Irrito-me de ver bandeiras desfraldadas nas janelas, nas varandas, nos vidros e tectos dos carros. Não me sinto patriota, não o sou, de facto, não o posso ser num país adormecido. O futebol é o ópio do povo, já nema religião tem esse estatuto.
Sinto-me enganada, ultrajada… e estes portuguesinhos a pensar no euro e eu nos euros que provavelmente não terei, nem nos produtos de 1ª necessidade que escasseiam por esse país fora.

12 06 2008
Vítor Rocha

Caro Paulo, eu acho que tudo isto já ultrapassa a competência da fraca prestação do nosso governo. Não imagino como vai acabar toda esta história, mas tenho a certeza que vamos ficar a pagar a factura por muito tempo.
Não esqueçamos que esta crise pretolífera já se vinha desenhando desde que o “puto” G.W.Bush, esse sim, louco, quis ir brincar aos “cobóis” para o Iraque na soit-disant restauração da democracia. O que na realidade ele quis foi tirar satisfações e vingar a honra perdida do papá. Estou mesmo a vê-lo pegar no telefone e dizer: “Pa, I did it!”. Sim, porque se democracia se tratasse, teriamos visto na CNN alguns Tomahawk em Timor ou mesmo na África Central.
Mas eu, que até nem sou de futebóis, também gostei do jogo de Portugal, dos golos do Deco, do Cristiano e do Quaresma, embora tenha gostado mais da Holanda e da Espanha. Gostos!!!

12 06 2008
Luis Neto

O arraial está de novo montado. As bandeiras da Pátria Lusa estão de novo assomando nas janelas, varandas e sacadas dos prédios portugueses.

Arraial e Folclore! Ao longo de cada dois anos destrói-se Portugal e depois durante dois meses somos todos muito patriotas.

Mata-se por dá-cá-aquela-palha, assaltam-se e agridem-se polícias nas esquadras, professores nas escolas, médicos nos hospitais e cidadãos mais ou menos anónimos ao longo de todo o ano e durante dois meses somos todos muito patriotas.

Sujam-se letras em prédios acabados de pintar, partem-se montras e caixas multibanco, atropelam-se e matam-se peões nas passadeiras, assaltam-se e violam-se crianças, jovens e adultos e durante dois meses somos todos muito patriotas.

Aumentam-se impostos, diminuem-se ordenados, aumentam-se transportes, gasolinas e comida, demora-se a consulta, adia-se a operação, fazem-se manifestações e durante dois meses somos todos muito patriotas.

Cospe-se no chão, conspurca-se a via pública, polui-se a ribeira, mata-se o peixe dos rios, morre-se e mata-se na estrada e durante dois meses somos todos muito patriotas.

Diz-se mal dos políticos, dos professores, do povo que trabalha, da empresa que fecham, da saúde que piora, do pão que está mais caro, da gasolina que nos afoga o ordenado, do leite que não chega à mesa e durante dois meses somos todos muito patriotas.

Um país, Portugal não é dois meses! Portugal não pode ser arruinado, destruído e incendiado e durante dois meses sermos todos muito patriotas!

Este País merecia ter todos os seus cidadãos responsáveis, limpos, educados, respeitadores, academicamente formados, trabalhadores e honestos, amantes e respeitadores do passado histórico que nos trouxe onde hoje estamos e forjador de um futuro de tranquilidade assente no respeito mútuo.

Somos hoje uma manta de retalhos mais rota que pano velho, maltratados por nós próprios e pelos políticos a quem pagamos para que assim nos vão destruindo.

Mas, durante dois meses seremos todos muito patriotas e por detrás das bandeiras das janelas, esconderemos a vergonha de sermos aquilo em que nos tornámos.

12 06 2008
horácio Santos

o meu amigo na realidade não gosta de futebol ou pelo menos não aprecia as manifestações dos seus compatriotas. Ora temos que nos respeitar nas nossas diferenças culturais e de expressão dos nossos sentimentos. Não me parece adequada a expressão ” babados de orgulho futebolístico”. Ora no meio da depressão colectiva provocada por um governo iníquo, é bom sentir que afinal os portugueses mais simples como são os jogadores conseguem ser melhores que os jogadores de outros países. E que alegria para os nossos emigrantes, muitas vezes espezinhados por estrangeiros arrogantes poderem chegar aos empregos e não se sentirem inferiorizados.
A sua luta pelos professores que admiro sai muito mais reforçada se tiver compreensão pelas vivências dos seus concidadãos e não entrar por outras considerações que não têm nada a ver com a luta dos professores.
Abraço

12 06 2008
Alexandra

Caro Sr.Professor:
Concordo plenamente com tudo o que disse, mas o melhor do seu artigo, são os novos anúncios dos combustivéis.Acho mesmo que devia apresentá-los ás gasolineiras. Continue assim, com muito humor….

12 06 2008
António Sabão

Se soubesse bem que explicava! Será que estamos a ser aldrabados?

12 06 2008
José Joaquim

A D. Sara Rosa tem muita razão.
Estamos nos terrenos do Sheriff de Notingham , apesar dos sherifs se irem revezando, já não existe o Robin e os que poderiam ser já se passaram para o Golp-Roubsun e para Bate Papo.
Os camionistas deram uma ajuda….ontem já se ouvia dizer “eh pá, nem que fosse a 2 euros eu queria era atestar o depósito de gasoleo.
Criticou-se a falta de intervenção das F. Segurança, mas afinal eles já não actuam pela Lei estabelecida mas por ordem do sherif.( parece que só esta madrugada o Komitern iria dar sinal verde)
Em 71 anos nunca senti tanta insegurança, embora soubesse que alguns colegas e amigos da faculdade passavam alguns dissabores por viajarem para Moscovo , via Paris…….. Eu como era um teso não me metia nessas calvalgadas e nunca tive a insegurança que sinto hoje…………
Portanto, meu caro amigo, se esperava ficar esclarecido deve ter ficado na mesma…..
Também não embandeirei…………
Força para o resto da LUTA…..
JJ

12 06 2008
fátma

caro colega, estava a pensar,que era só eu a ter esta opinião sobre esta histeria colectiva a volta do futebol…afinal posso estar louca mas não estou sozinha obrigada!

12 06 2008
Isa

Os romanos tinham razão. Pão e circo. Nós por cá é futebol e circo e ainda por cima quase sem pão. De manhã à noite é só futebol. Até parece que nos arranjamos com o ordenado que eles ganham. Gostaria de ver o que aconteceria se o dinheirito para pagar as despesas da selecção fosse ao circo! Havia de ser bonito! Logo dariam pela falta do pão. Eu também adoro ver a selecção e há jogos que não vejo porque tenho que olhar pela minha saúde mas, por favor, acordem já.Este país está a desmoronar e não há quem lhe queira valer.

12 06 2008
Paulo Guinote

Olá Paulo,
Enquanto a selecção ganhar o pessoal quase (quase) esquece o preço da gasolina.
Se a selecção tivesse começado a perder, não sei não…

12 06 2008
Vera C.S.Castanheira Nunes

Então… enquanto mergulham no futebol e aí, ó venturosos imbecis, encontram todo um medíocre mundo de alegrias e tristezas, nada mais os incomoda, ou não é?… Ah! e bandeira, o hino, a multidão dos humilhados e ofendidos aos pulos, aos berros em pranto…Para dizer a verdade, se dessem à grande maioria dos portugueses( e não só) apenas desporto que chez nous se denomina futebol, não era preciso mais nada,nem ordenados, nem educação/ensino, nem cuidados de saúde, nada mais era preciso. o pior é que os jogadores, treinadores e outros quejandos ganham mesmo muuuiiito beeeem. E assim se vai tapando todas as misérias e desgraças deste país—O povo é sereno! E cretino, benza-o deus! Vera

12 06 2008
Safira

É isso mesmo que diz no seu comentário. O Zé povo anda a vibrar com a
selecção nacional (que merece um aplauso) esquecendo o que por cá se
vai passsando. É os camionistas a tomarem conta das estradas, é a
falta de gazolina, é a falta de bens essenciais. É o país do Deus nos
acuda!! Como se não bastasse ainda somos bombardeados com a notícia
das 65 horas de trabalho aprovado hoje na UE. Isto está lindo, não
haja dúvida…
Que mais nos pode acontecer!

Abarço solidário!

12 06 2008
Cristina Costa

O discurso da nação a vibrar pelo futebol irrita-me. Eu, até prova em contrário, pertenço à nação, não vibro com estas histerias colectivas e é triste ver que só se vibra com o futebol. Por mim (quem sou eu?!) podiam perder todos os jogos e regressar, pois andam por lá a gastar dos meus (e dos de muitos outros) euros de continbuinte não num local digno, mas num local luxuoso. É uma afronta. E soube por um colega de Ed. Física ligado à FPP que quem lá foi antecipadamente marcar o local “esqueceu-se” que era preciso ver se o relvado era natural. Foram para a diversão e não repararam que à volta os relvados eram sintéticos. O seleccionador chegou lá e disse que queria relva natural. E lá apareceu a dita, em tempo record, com preço record provavelmente.

Gostava que fôssemos conhecidos por algo bem melhor que o futebol.
Talvez por sabermos ler e escrever com correcção elementar , por sermos um povo civicamente activo e cordato, solidário, trabalhador e produtivo e não estar sempre à espera de uma baixa fraudulenta, de um subsídio estatal, duma reforma choruda e injusta, enfim a lista seria interminável. Gostava que fôssemos conhecidos por sermos um povo adulto, que sabe o que quer e que sabe dar importância ao que realmente o é.

Desculpem-me o desabafo os adeptos do futebol e os patriotas. A minha pátria são os valores humanistas, não as fronteiras artificiais. Mas já não aguento as televisões e os restantes órgãos a propalar que há uma nação inteira a vibrar pelo futebol, pelos seus heróis. Heróis de quê? Os do mar ainda mereciam o título, mas estes… Que fizeram de heróico?
Bem e não será a nação inteira, pelo menos no que me toca.

Ah! Mas sempre há uma vantagem: à hora do jogo as ruas estão vazias, os supermercados, etc…

12 06 2008
MMC_1262

Como estou de acordo convosco! Talvez por não gostar muito de “futebóis”, não consigo rever-me nos milhares de portugueses que festejam, sabe-se lá o quê, com um fino na mão e outros tantos no “bandulho” a fazer figuras tristes e a proferir palavras sem nexo. Quanto à greve dos camionistas tenho uma dupla opinião. Acho uma injustiça a violência dos grevistas sobre os não grevistas. Porém, acho que todos nós deveríamos parar as nossas viaturas e fazer parar o país enquanto o ISP não fosse revisto. É um autêntico assalto aos bolsos dos portugueses.
Relativamente às prateleiras vazias, ou quase, nos supermercados, fez-me lembrar um país africano onde vivi quase 14 anos e onde, mesmo que houvesse algum dinheiro, escasseavam os produtos alimentares…
Cumps a todos

12 06 2008
VFS

Paulo,
Vai desculpar-me, mas nada disto me admira. Quando é o próprio Estado a permitir estas situações, que há a fazer?
E ainda me vou rir, porque na altura legítima para o povo se manifestar – as eleições legislativas – o PS vai ganhar.
Deixo-lhe duas frases: a primeira de ORTEGA y GASSET “Eis o que leva ao intervencionismo do Estado: o povo converte-se em carne e massa que alimenta o simples artefacto e máquina que é o Estado”; a segunda, de BORIS PASTERNAK “Os detentores do poder ficam tão ansiosos por estabelecer o mito da sua infiabilidade que se esforçam ao máximo para ignorar a verdade”.
Por fim, a maioria dos portugueses só pensa no direitos. Deveres!? Só os outros.

13 06 2008
Artur Jorge

Amigo Paulo:
Discordo totalmente! Acho que nos orgulhamos de ser portugueses e tudo o que enaltece este “podre” país enche-nos de orgulho. Neste momento o futebol é a maior das razões! O que não tem nada a ver com o resto. Não nos orgulhamos de ter políticos incompetentes, desonestos e corruptos, que não enaltecem o país em 1/3 do que faz a selecção; não nos orgulhamos de ser roubados cada vez que vamos à bomba da gasolina; não nos orgulhamos de ser expoliados dos parcos euros que ganhamos nos hipermercados; não nos orgulhamos dos 130 dias que trabalhamos por ano para pagar impostos; não nos orgulhamos do estado da educação; não mos orgulhamos do estado da saúde… Mas EU orgullho-me de ainda haver gente neste país com tomates, quais descendentes da Padeira de Aljubarrota, para afrontar um governo com tendências salazaristas e totalitaristas… com tomates para mostrar que quem manda é quem vota e não quem governa… sim, discordo da violência utilizada… mas estou do lado dos camionistas… mexer com a tacanhez e surdite aguda deste governo implica SACRIFíCIOS. Foi por não serem capazes de fazer sacrifícios, e partir para uma grave por tempo indeterminado, com consequências tão ou mais nefastas que estas, que os professores continuam enterrados na lama que o ME criou.
O governo cedeu, sabem porquê? Porque teve medo que o resto da população se pusesse do lado deles… eles foram apenas a ponta visível do descontentamento global. E tiveram coragem para lutar pelo que acham que é justo para eles. Nós não fomos capazes de fazer o mesmo e por isso o governo não cedeu. Viva Portugal! Viva a selecção!!!!

13 06 2008
Alexandre Ribeiro

Paulo,

Acho que não está a ficar louco, senão estaríamos todos.
Adianto ainda que o principal problema deste nosso país é a imiscuidade da actividade política com a actividade futebolística. Claro que têm tudo a haver…!!!
A Nosssa Selecção está em Grande porque são bons, querem apagar o sorriso internacional do irónico reclame Galp (com o pessoal a empurrar a camionete) e querem, de uma vez por todas, colocar os políticos no lugar deles…
Ah… outra achega… não sou economista nem político profissional mas nunca vi liberalização de mercado quando existe um só agente fornecedor…, dá ideias de monopolimo e de muiiiito proteccionismo.

Um Abraço e Parabéns pelos spots publicitários

Alexandre

13 06 2008
pjrcarvalho70

Hufff!!!
Não esperava tantos «comments» a este post, mas ainda bem! Gosto de vos ver (ler) por cá! Ora vejamos:

1 – Meu caro amigo (e primo) Artur: afinal estamos é totalmente de acordo! tudo o que dizes eu concordo plenamente; apenas me parece sermos diferentes no sentido em que consegues separar coisas que eu não consigo. Nesta fase da vida deste país, por muito bem que jogue a selecção eu não consigo proferir a palavra «orgulho»! Um abraço

2 – Sr Vitor Rocha: de facto, eu não sei quem mais detesto… se o Sócrates se o Bush que é apenas presidente de um país a 8000 Kms do meu!!! Ele é o mundo, meu amigo, e o mundo é ele!

3 – Sr Luís Neto: as suas palavras parecem uma Canon topo de gama com uma objectiva grande angular sobre o País: fabulosa, mas triste, dissertação!

4 – Sr Horácio Santos: não sei se já deu conta, mas o meu blogue não se chama http://queixasdeprofessores.blogs.não sei quê! O meu espaço é generalista e nele falo sobre aquilo que me apetece. A Educação é apenas um sector, já reparou? Se isso lhe faz afronta, retirá-lo-ei de imediato da minha mailing list se desejar!
Quem lhe disse que não respeito quem se «baba de orgulho futebolístico»? Eu gosta da bola e vibro à minha maneira; apenas a julgo mais própria do que a histeria que grassa por aí, fazendo esquecer a podridão do país.
Mas, ó amigo Horácio: chamar «simples» a pessoas que são endeusadas, porque dão uns pontapés (bem dados) numa bola e, por isso, recebem por ano, em milhões, o que muitos portugueses recebem em euros por um mês de trabalho produtivo e duro, é no mínimo caricato!
Emigrantes? Não tenho pena, mas sim inveja, de compatriotas meus que têm a sorte de viver em países decentes e justos (Suiça à cabeça); pode ser que um dia vá ter com eles… já faltou mais!
Agora, meu amigo, por favor não me reduza a um simples professor, ok?

5 – Cristina Costa: Acredite que um pouco de futebol e amendoins não faz mal a ninguém, mas partilho das suas angústias.

6 – VFS: não tenha a mínima dúvida que vai ganhar! Estamos em Portugal, né? Essas frases que refere, assentam-nos que nem uma luva; agora há uma «pequenina» diferença entre sectores da sociedade. 100 000 professores em protesto na rua e 95% dos restantes solidários, foi refresco para o governo; «meia-dúzia» de camionistas aniquilam completamente um país, devido ao que deles depende. Agora imagine toda a «carne e massa» com a força dos camionistas?
Vence a velha frase: se o povo quisesse, mandava!!!

7 – Aos restantes comentadores que não particularizei, agradeço da igual modo as vossas opiniões. Já sabem que a vossa visita é para mim um prazer.

Paulo Carvalho

13 06 2008
Nuno Machado

Como é possivel que a GALP (GOLPE) suba o preço dos combustiveis num dia em que até baixou??? E na altura que foi. Há acordo vamos lá subir. Parecia que até tinham interesse nesta paralização, nesta confusão. Foi do tipo: “Vamos lá atirar mais umas achas para a fogueira” ou “vamos lá reacender a fogueira”.
Acho sincermente que nós, portugueses de todas e nenhumas profissões deveriamos imobilizarmo-nos à porta da assembleia da república (das bananas) e não deixar aqueles senhores deputados sair, porque a culpa é deles todos, sejam de que cor forem. O único problema é que a nós davam nos uma carga de policias em cima.

13 06 2008
Branco

Li o seu texto e acho que é infelizmente mais um texto do “bota a baixo”, tão tipico dos Portugueses.

Em Espanha em que a paralisação se mantém, será que há pessoas a quueixarem-se da mesma forma? Aposto que apontam vários factores, mas dúvido que seja a selecção, as pessoas, etc.

Este fenómeno é perfeitamente explicável, basta ver o custo de combustiveis (dentro da realidade Europeia). O problema é que os Portugueses vêm o custo dos combustiveis em Espanha e pensam que é assim no resto da Europa (o que não é verdade, o IVA Espanhol é que é bastante mais baixo do que a média Europeia).

Vejam Itália com montanhas de lixo a acumular-se nas ruas das cidades, vejam Espanha paralisada com os motoristas e pescadores, vejam França em que a queima de carros tornou-se num desporto nacional…e continua.

13 06 2008
são Moniz

pois é amigos, a ignorância chegou á politica,são cerca de 30 anos de promessas, de futuros adiados, de esperança que agora é que é, que somos europeus, enfim estou no meio da vida, 40 anos a sentir o que é ser portuga, e a lamentar-me ” porque não emigrei?” Fátima, Futebol e Fado, somos assim, emoções á flor da pele e a realidade a ser cruel, estamos cheios de dividas, sem esperança no trabalho , filhos a criar para quê, e politicos a gozarem com a nossa cara. Amigos afinal de contas o que seremos daqui a 50 anos? o que serão os nossos filho que têm agora 10 anos? o que lhe preparei?
mas na democracia há grandes ordenados, reformas churodas, amigos que se rodam no poder e na gestão, e nós? – vives com 500€ e já gozas! ou reforma de 200 e já te chega, mas depois vamos todos votar…. ! e viva a selecção….!!!!!

14 06 2008
maria josé alves covita leitao santos

nunca vi semelhante ,e nós a pagarmos a crise . acrise é do carvalho pinto até ele tremeu.não lhe mudei o nome apenas o trato por carvalho pinto iiiiiiiii

15 06 2008
Teresa

Caro Paulo,
tenho uma dúvida que se prende com o facto de receber no meu mail, constantemente, mensagens suas e de não o conhecer de parte nenhuma. Sei apenas que é professor como eu e que, como a maioria dos portugueses, está contra o Governo e a Ministra da Educação. Acho muito bom que se insurja e que tudo vá dar à defesa dos professores mas não acha que exagera um bocadinho? Já percebi que é pouco conformista e que o futebol o irrita mas por que razão mistura tudo? Por que razão não se dedica um bocadinho mais à escola agora nesta fase final do ano lectivo?
E, por favor, não me entupa a caixa postal porque à sua custa recebo mails de outras pessoas que não sei quem quem são.
A selecção torna as pessoas histéricas mas olhe que a sua fobia pelo governo e pela defesa dos professores começa a ser entediante!
Revolte-se mas por favor não exagere e, sobretudo, não seja autista!!
Já agora gostava de saber o que vai escrever em 2009, quando o governo já for outro!! Mas como conheço o seu género também não será desta que o Paulo vai ficar satisfeito. Coitados dos seus alunos!
Atenciosamente,
Teresa

15 06 2008
pjrcarvalho70

Cara Teresa:

A sua mensagem merece-me as seguintes considerações:

1 – A colega é um dos cerca de 400 contactos de professores que tenho aquando do «boom» da carta aberta que escrevi ao Sr. Rangel e faz com que mais de 70 000 pessoas visitassem o meu blogue; decerto que na altura comentou qualquer post meu, para eu ter acesso ao seu endereço; não o inventei nem lho roubei. Também daí, outros lhe tenham tido acesso!

2 – Se reparar (já a outros lhe escapou o facto), o meu blogue é generalista, onde falo de tudo e não apenas da minha vida enquanto docente e é um gosto que tenho; gosto de escrever, publicar e partilhar opiniões com os meus contactos, enquanto estes quiserem, como verá mais à frente.

3 – Chamar-me exagerado, autista, etc, e proferir frases infelizes como «coitados dos meus alunos» ou «dedique-se mais à escola», para ser suave, soa-me a contraditório, pois a colega começa por dizer que não me conhece de lado nenhum! De facto, nota-se…

4 – Eu não tenho fobias, cara colega; sou apenas um simples e pacato cidadão com direito à indignação por aquilo que a classe política (toda ela, que de facto abomino com todas as minhas forças) está a fazer a este pobre país. Pelos vistos a colega não concorda e respeito-a por tal. Em 2009 se, como julga, o governo for outro (o que não acredito) e as mãos não se me tolherem, cá estarei a verter as minhas dilações, para quem quiser lê-las!

5 – O meu blogue é um espaço da minha autoria e responsabilidade, gerido por mim, onde escrevo as minhas opiniões e continuará a sê-lo! Opiniões são isso mesmo, e passíveis do contraditório de outras; mas são as minhas e assumo-as. Uma regra de ouro que tenho é a de que qualquer pessoa que mostre o mínimo incómodo em receber os meus convites e, no direito que lhe assiste, não querer receber o que não deseja, o seu e-mail é imediatamente apagado para sempre da minha lista de contactos. Será, desde já, o que acontecerá com o seu, pelo que não mais será incomodada com os meus e-mails. Se solicitar o mesmo às pessoas desconhecidas que a incomodam e estas tiverem um pouquinho de sensatez, farão o mesmo, por certo.

6 – O futebol não me irrita. Até gosto bastante e vibro com a Selecção: O que me irrita são outras coisas…

Paulo Carvalho

15 06 2008
Tb Professora

Mais uma vez, não resisto a dizer algo sobre o que alguém comenta. Neste caso, é sobre o que o que a colega Teresa diz.
Também faço parte desses endereços provocados por algo que nos uniu. Não partilho a ideia da referida colega, nem compreendo a iindignação que demonstra. Ainda não me apercebi da caixa de -emails entupida pelo que o Paulo envia – e que o faz com o cuidado que uma grande parte não tem.
A colega Teresa, parece-me que alterou a sua opnião. Pareceu-me que já não faz parte dos professores indignados! Será por alguma razão concreta? Espero que não seja pelo que estou a pensar.
Continue Paulo, a escrever como escreve e a ocupar o, cada vez menos, tempo livre como quer! Pelos vistos, continua a haver quem se incomode.

15 06 2008
domingos

Este partido diz-se socialista mas de socialismo nada tem. Governa como a extrema direita e apoia-se nos tres fff ( futebol, fátima e fado ). Era assim que fazia o salazar !!! Mas quem tem a culpa é o zé pagode, como o da “liga dos últimos” , que vota e acredita em falsas promessas de corruptos e políticos que o que querem é encher os bolsos, á custa dos dinheiros públicos e dos fundos da CEE. É verdade que quem vai pagar a crise são os mais fracos e a classe média.

16 06 2008
Professora

Paulo

Venho alertá-lo para notícias das intenções da EDP que até ontem envolviam “apenas” o acordo da Entidade Reguladora e hoje também já merecem comentários por parte da DECO.

Estranho muito que uma associação de defesa do consumidor possa achar legítimo que os consumidores pagadores venham a pagar as dívidas dos que não pagam à EDP .

Aqui fica o link para a notícia

de hoje
http://dn.sapo.pt/2008/06/16/economia/deco_aceita_clientes_paguem_incobrav.html

17 06 2008
Vera C. S. Castanheira Nunes

Exma Senhora D. Teresa
Acho-a uma querida, que delicadeza, que originalidade, que profissional tão tão… profissional. Mas como é que arranjou tempo para escrever o que escreveu e para ler o desabafo do Paulo ?… É curioso, misterioso mesmo. E percebo muito bem o seu conselho ao Paulo para se dedicar mais ao ensino, digamos, à burocracia, aos eventos pseudo culturais… Possivelmente a Srª D. Teresa, fará parte ou gostaria de fazer, do famigerado grupo de professores que se candidataram ou deixaram que a escolinha apresentasse a candidatura , a professor do ano, um novo género de lambe-botas ( ou será lambebotas/botinhas)…Mas deve ser impressão minha. Acho adorável que não tenha compreendido o que o Paulo tem escrito até agora. E claro , que o futebol encarado como único ponto de orgulho, do nosso povo a que , malgré tout, me orgulho, gosto, dá-me pica, curto, e de novo gosto, de pertencer, deve ser visto com benovolência, com um certo carinho até, porqe não ? Sempre é melhor que, por exemplo, sentindo-se injustiçados, humilhados, roubados, fartos da ameaça ou da realidade do desemprego e outras coisas mais, desatassem aos tiros, se metessem numa revolução – mas sem cravos, vermelho só o sangue- .E tem toda a razão, só politiquices, que nojo… a sua política é decerto o tabalho, e é lindo… a sério. Quanto ao futebol, cada um gosta do que gosta, não é isso que é mau, é o aproveitamento consciente nuns, inconsciente noutros de o tornar num escape, além de que cada pessoa tem os” heróis” que merece ( e é tão bonito haver princesas… ). Nada tenho contra os homens do futebol, também eles fazem o que sabem fazer e decerto quase sempre bem. Ganharem fortunas, claro que é de causar inveja e muitas vezes é cobrado no amor dos adeptos transformado em ódio. Mas passando a outro item (gosta?) , penso que os seus conhecimentos do significado dos termos, andam meio atordoados. Autista, o Paulo ?, “ná”, não me parece, está demasiado interessado no que se passa à sua volta. Imagine, até lhe respondeu… Também não sei para quê, a Srª D. Teresa, não tem tempo para ler o comentário ao seu genial, espectacular ( a palavra é gira, não é? o pior é se o espectáculo é mau, ou pior ainda , degradante, deprimente, degenerado- esta é porreira, pá !-) « retomamos, caso se tenha perdido », comentário. Bem, já estou a ficar com sono, o que é estranho, porque o seu comentário que teve a honra de merecer um meu, dava para um morto decente acordar. Nem que fosse para a alertar para a vida.
Não me apeteceu fazer parágrafos nem rever o texto. Ah! é verdade, esqueci-me do drª. Assim como assim, tem, se licenciada ( antes do Tratado de Bolonha ), tanto direito a dr. como os médicos, advogados e outros.
Com os meus cumprimentos e desejos de umas ainda bem distantes férias, esta ,que humildemente se assina
Vera

P.S. Descanse depois muito, a vida tem tanta coisa linda… ( pelo menos para nós, que ainda temos ordenado ). E pronto, viva o Sócrates mais o seu séquito ! A caridade é uma virtude, não acha, Srª D. Teresa…? Ups, lá me esqueci do dr.

17 06 2008
Vera C. S. Castanheira Nunes

Paulo, a paciência, a tolerância, tal como a caridade, são virtudes … Por favor, não se desgaste a pensar no que algumas pessoas dizem ( isto não tem nada a ver com o discordar ), por favor olhe pelos seus alunos, coitadinhos, pense no que a Teresa ( esta não decerto a da praia, que não é de ninguém ) tão carinhosamente lhe disse…( eh! eh! eh! ). Perdoe-lhes, porque eles sabem- ou não- o que fazem, les pauvres.
Um abraço
Vera

18 06 2008
pjrcarvalho70

Olá Vera!
Tenha calma por favor!
A colega Teresa tem todo o direito de sentir-se incomodada com os meus escritos. Felizmente que tenho outras pessoas, como parece ser o seu caso, que comungam de muitas das minhas preocupações enquanto cidadão.

Allez!
Paulo Carvalho

18 06 2008
Vera C. S. Castanheira Nunes

Paulo, então eu não tive calma… Até a tratei tão bem! Só me esqueci de referir que nas próximas eleições ou será este pseudo P.S.,talvez já não com maioria absoluta, ou o P.S.D., também de certeza sem maioria absoluta. E depois, o Poder é perigoso. A utopia é isso mesmo, utopia.
Outra coisa, não respeito de modo algum a mediocridade, tal como não posso respeitar os nazis e outros do mesmo tipo. Não respeito a ignorância disfarçada de, sei lá de quê, “topa-se” à légua. Acho hilariante a frase que ficará para a História como marcada a ferro em Sócrates ( deve ser triste ficar conhecido por uma “boutade” destas), relativamente a Francisco Louçã, a de ” …o senhor não tem idade nem currículo (ou vice-versa) “.
Hoje é o dia em que vou divagando: é verdade, sou professora de Português e Francês, Secundário, por enquanto.
E agora vou jantar com alguns colegas de várias facções políticas, que gostam de futebol e com idades entre os 26 e os 57 anos. Portanto não vou rever nada, não me apetece .
Até breve, um abraço
Vera

18 06 2008
pjrcarvalho70

Cara Vera!
Quanto ao resultado das eleições, o meu vaticínio é o seguinte: Claro que o PS ganha, mas sem maioria; afinal nem toda a gente é masoquista! O PSD, com mais uma carcaça de regresso ao trono, terá apenas os votos dos indefectíveis, ou seja, aqueles ceguetas que ainda não perceberam que nem PS é alternativa ao PSD nem vice versa. O PP vai entrar em extinção e, finalmente, uma forte subida dos partidos, realmente, de esquerda. Mas teremos José Sócrates como PM.

Voltando ao meu artigo, não sei se viu o Prós e Contras de segunda passada… Era exactamente sobre esta questão do fanatismo futebolístico. Um tal jornalista Daniel Oliveira, na sua primeira intervenção, aludiu exactamente àquilo que eu, amante da bola tal como ele, apelido de estupidificação social.

Vá ao site da RTP e veja essa intervenção dele. É brilhante.

Um abraço
PC

21 06 2008
soniapessoa

ora pois, eu coloco a mesma questão, mas prefiro pensar que em vez de estarmos todos loucos, nos agarramos a coisas que nos podem trazer alguma alegria, como seja vencer um europeu de futebol…

24 06 2008
soniapessoa

Olá, este comentário serve para te pedir que vás até ao meu blog e leias o post sobre Ilustração. A ideia é divulgar o mais possível o meu pedido de ajuda. Vai até lá e vais perceber. Desde já agradeço toda a ajuda possível.

Um abraço,

Sónia Pessoa

25 06 2008
vera

A loucura, Sónia, pode ser uma qualidade, quando brilhante e “lúcida” e não dirigida. O entusiasmo é bom, vibrar com o que os nossos, nós próprios e quem representa o nosso país (ou, ainda mais forte, a nossa pátria) é saudável, é a alegria por nós por todos nós. Eu, que não consigo gostar de futebol (gosto moderadamente de hoquei em patins), fico sinceramente contente ou desanimada com os resultados da selecção nacional. Mas a bandeira, levo-a demasiado a sério, para a ver por aí da mesma forma que vejo as fitinhas desengraçadas presas aos carros num cortejo de casamento, que os nossos emigrantes trouxeram como moda(?) pseudo elegante, chique etc, etc, etc… O pior é a histeria, como se a única forma de glória para Portugal estivesse presente apenas e unicamente no futebol. Dos outros desportos e desportistas mal se fala. Cientistas, músicos escritores cineastas actores bailarinos pintores compositores diplomatas escultores …, todo o tipo de Mulheres e Homens que contribuiram/contribuem para mudar para melhor a nossa vida, enaltecidos no estrangeiro são quase ou mesmo metodicamente ignorados em Portugal, esses, não tiveram nem nunca terão, direito a bandeira e felizmente muito menos a histeria .
O que me dói, é a indiferença por aqueles que digna ou histericamente choram ou se revoltam ou pior ainda se resignam, ao desemprego, às injustiças legalmente impostas, à fome, à pobreza disfarçada……Eu sei, que também eles se precipitam na histeria colectiva do amor à camisola, até formarão a maioria; foi sempre assim, -o circo romano, as execuções públicas, os autos de fé, os acidentes com mortos, as execuções via
t.v…. – Mas atenção, um dia, um com os olhos e a mente mais abertos, mais evoluído, dá o grito e então , porque a multidão enfurecida é medonha, é levada para outros futebóis e, garanto-vos, será terrível.
E para ser tudo ainda mais triste, lá se foi o europeu. E garanto-lhe Sónia, eu também o lamento. Mas não é isso que determina o meu orgulho ou a ausência temporária dele, pelo meu país.
Mas animemo-nos, não tarda temos o mundial. E nessa altura, quem sabe!…

25 06 2008
vera

Paulo, quanto à tua previsão, parece que estamos na mesma onda, como tantos outros, espero. Mas a memória é curta, muito curta. Bom, a ver vamos. E vamos a ver se desta vez vêem melhor.
Um abraço
Vera

26 06 2008
pjrcarvalho70

É isso mesmo, Vera! É isso mesmo!
Obrigado pelo comment.
PC

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




%d bloggers like this: