PEZINHOS DE LÃ

15 03 2008

ver aqui a crónica do Sr Rangel oito dias depois 

 

Está a ver Sr. Rangel?

Custou-lhe alguma coisa fazer uma crónica decente, mesmo que desviada da realidade, na linha de outros colegas seus?

Custou-lhe alguma coisa admitir que « Somos o último país da Europa quando se analisa comparativamente o que oferecem as escolas portuguesas e as dos outros parceiros da Comunidade. » e « O grau de indisciplina, de impreparação, de anacronismo do ensino em Portugal tem-se prolongado por décadas sem que nenhum Governo tenha sido capaz de lhe dar outro rumo.», sendo que nunca tamanhas verdades o senhor proferiu na sua vida?

Custou-lhe alguma coisa chamar Sindicatos de Professores a uma organização de pessoas que, tal como o dos jornalistas, dos operários da Lisnave ou qualquer outro, existe para zelar democraticamente pelos legítimos interesses da sua classe, mesmo não tendo como sócios a maioria dos professores, como é o meu caso?

Custou-lhe alguma coisa admitir que urge tomar medidas «se Portugal pretende não crucificar mais gerações ao insucesso» para evitar que «os alunos da faculdade e em cada linha» tenham «quatro ou cinco erros de português»? Afinal, Sr. Rangel, estamos novamente de acordo.

Custou-lhe alguma coisa dizer que os professores devem ser avaliados, quando TODOS os professores pensam exactamente o mesmo?

Lamento é que ainda lhe custe acreditar que não é com esta avaliação nem com a política educativa desta senhora, que tem como único fim castrar as carreiras dos professores – bons e maus – e poupar uns milhões para esbanjar e promover o tal novo-riquismo entre políticos e gestores, que o senhor terá um país com jovens universitários a saber Português, História e Geografia, citando-o novamente.

Finalmente Sr. Rangel, esperava mais retratamento da sua parte do que um simples P.S. (sigla curiosa!) e fique sabendo que ofendeu sim, e em sentido geral, pois não é todos os dias que se ofendem 140 mil pessoas de uma assentada.

Não se atreva a repetir tal façanha!

 

Paulo Carvalho

Anúncios

Acções

Information

14 responses

15 03 2008
Anabela F.R.

Como diria uma ex auxiliar da minha escola (k faleceu 1 mês antes da reforma): “AH VALENTE!!!” Quem fala assim…sabe o que diz.

16 03 2008
Maria Celeste

Força Paulo!

16 03 2008
Nuno Machado

Porquê esta mudança de opinião? Não acredito que esteja a ser sincero. Quem disse o que disse não muda assim sem mais nem menos. Até no contra-informação já se fala neste S. Rangel…

16 03 2008
sara rosa

obrigada paulo por me enviar este artigo,parabens pelo que escreveu,mas eu tambem duvido desta mudança~( quando a esmola é grande ,o pobre desconfia)assim estou eu,e como disse o nuno machado acho que tambem não está a ser sincero sabe muito,são RATOS velhos cheios de manhas,cá estaremos para ver as novas mudanças,é proprio dos cobardes.

16 03 2008
Augusto Soares

Boa colega Paulo, já esperava a tua resposta. Tive ontem a passar a pente “fino” todos os comentários á primeira carta aberta, simplesmente fantástico. Contudo, deu para perceber que, este país ainda tem muitos analfabetos funcionais, ao ler alguns comentários menos próprios de alguem que infelizmente têm pouca correção na escrita, sem conteúdo credível, e sem conhecimento da realidade educativa da escola portuguesa. Parabéns mais uma vez.

Abraço.

16 03 2008
joao fatal

o Sr. Rangel mostra ser um verdadeiro gentleman…só um gentleman tem a elevação moral para se retractar perante hooligans…vá lá colegas, temos de compreender a profundidade do senhor… e compreender que os anteriores ditos foram produzidos contra vontade…afinal serviço é serviço…

16 03 2008
Tb Professora

Mais uma vez, Excelente resposta!

17 03 2008
José Costa

Bons dias!

Gostei da resposta dada ao Senhor Rangel, mas também alinho pela ideia de que ele não está tão arrependido assim, se é que o está minimamente…

Só tenho pena é que continuem a ser dados tantos pontapés na nossa língua, mesmo por quem também critica isso mesmo (sabem o que o povo diz de quem tem telhados de vidro?…)

Por isso, colega Augusto Soares (suponho que seja professor), custou-me também muito ver que, num curto comentário (68 palavras), tenha conseguido dar 4 erros: “Tive em vez de “Estive”; “á” em vez de “à”; “alguem” em vez de “alguém”; “correção” em vez de “correcção”. E isto só para falar de ortografia…

Quanto à sintaxe, é inadmissível o uso da vígula após a conjunção integrante que – “deu para perceber que, este país ainda tem…” – como o é escrever “comentários menos próprios de alguem que infelizmente têm pouca correção na escrita…”.

Assim, não!

José Costa

19 03 2008
t.t.o.

Nao seria melhor deixar de continuar a tentar desculparem-se de não serem comunistas. Ainda bem que eles também estiveram em Lisboa entre os cem mil.
Já agora que mal tem que o sr.Rangel tenha sido do MPLA ou ex-comunista (será que alguma vez o foi)? Deixem-se de anti-qualque coisa.
Sejamos contra algumas das medidas deste ministério, mas fundamentando bém as nossas ideias como bem fez Paulo Carvalho. para ele os meus parabéns.
Com um abraço de mais um obrigado a ser titular

19 03 2008
SANDRA PRATES

Apesar de tardiamente, fiquei satisfeita ao ler a resposta que deu a E.Rangel…foi clara e precisa em todos os pontos! Também pertenço aos 143mil e dentro desses aos 100mil que se uniram em defesa de uma escola justa, democrática e livre de pressões e que só o é porque a avaliação é justa. Sim, a avaliação é o acto mais difícil da minha vida enquanto professora! Há 14 anos que perco-me nas horas a ponderar todas as envolvências: sociais, afectivas, económicas e comportamentais…perco-me nas horas a ponderar um simples número que pode mudar tanto a vida de alguém…são horas de diálogo, são horas de justificações, são horas a reflectir sobre o que mais posso fazer…quando tão pouco tempo me resta para ser imaginativa, para inventar e tornar menos cinzento o peso da avaliação…sim perco-me nas horas a procurar ser justa na avaliação dos meus alunos! E depois de tanta ponderação sei que ainda corro o risco de alguém achar que fui injusta… e terei de saber argumentar quando isso acontecer! Serei levada a ouvir os argumentos – que devo sempre considerar como válidos – e a ponderar, reflectir novamente sobre eles! Tudo isto acontece porque temos de avaliar, temos de aceitar críticas…saber ouvi-las, respeitar as diferenças…aperfeiçoar modelos, experimentar, aplicar…Sei que eu e 142mil somos justos na avaliação e nos preocupamos com os nossos alunos…mas será tão difícil perceber que o que queremos é que também façam este exercício connosco? Que sejam justos quando pensam em avaliar-nos? Que se percam nas horas a construir instrumentos de avaliação justos? Que se percam nas horas a ponderar, a reflectir, a ouvir, a aceitar críticas, a experimentar, a melhorar…Não, não é difícil…o problema é que é muito desgastante o processo…perdemo-nos nas horas…e não pode ser, porque temos outras coisas tão importantes para fazer, porque os resultados têm de ser imediatos!Como eu gostei de Sócrates, o que estudei, quando li algo tão sábio e tão simples “Só sei que nada sei!” …e os que pensam que sabem tudo chamam-nos nomes…
Paulo desculpe o desabafo…continue o bom trabalho!

28 03 2008
Helena Bernardo

Haja alguém que esteja do lado dos professores.
Haja alguém que tenha a coragem de desmascarar pessoas tão básicas como…como é mesmo o nome do homenzinho? Rangel? Será?
Obrigada pelo seu fantástico texto.

22 04 2008
lua moura

Mas a hiperligação a esta crónica do Rangel não abre… 😦

22 04 2008
pjrcarvalho70

Tem razão!
O link foi removido ou mudado pelo Correio da Manhã!

17 12 2008
Álvaro Ferreira Gomes

É com imensa alegria, para não dizer êxtase, que leio algumas frases, e, num sentido mais vasto, toda a sintáctica e semântica deste blog do Paulo Carvalho, meu colega!
O poder mais perverso tomou a palavra, invadiu os media, enoja de raciocínio falso, absurdo, incompetente e encapotado. É o poder de querer, à força de palavrear – oralmente ou ‘escrituristicamente’-, dar conta da realidade.
Então sobre o Estatuto da carreira docente e uma sua ‘hiperligação’, a avaliação de desempenho, temos assistido à pior manipulação verbal desde que há memória, para mim, em democracia: nasci em 1955!
Rangel é porventura a voz mais azeda e suína que sobre tal escreve.
É este o socialismo que temos e a democracia que dizemos possuir. E, claro, o principal responsável é o Socalismo em Liberdade. Simplesmente porque mentiu sobre o próprio conceito que proclamou.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




%d bloggers like this: